11|06|2021 - | Assessoria de Comunicação

Atletas lutam pelos índices olímpicos individuais e comemoram chances no revezamento

Fonte: CBAt

Tiffani Marinho, medalhista no Mundial e campeã do Troféu Brasil (Foto: Wagner Carmo/CBAt)
-

Bragança Paulista - A luta pelos índices olímpicos prosseguiu na tarde desta sexta-feira (11/6) na disputa do 40º Troféu Brasil Loterias Caixa de Atletismo, no Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa, na Vila Clementino, em São Paulo. E, mesmo não conseguindo as marcas mínimas nos 400 m, a carioca Tiffani Marinho (Orcampi-SP) e o paulista Lucas Carvalho (FECAM ASSERCAM-PR) têm bons motivos para comemorar: estão muito perto da vaga para integrar a equipe do revezamento 4x400 m misto em Tóquio.



Líder do Ranking Brasileiro de 2021, com 51.88 – o índice é 51.35 -, Tiffani venceu os 400 m, com 52.37. Ela tem a esperança de ainda conseguir a marca mínima. “Enquanto tiver tempo vou tentar. Tenho o plano A, que é o índice, e o B, que é entrar na Olimpíada por pontos na prova individual”, lembrou a atleta que integrou a equipe medalha de prata no Mundial de Revezamentos da Polônia, em maio. “De qualquer forma estou feliz com o tricampeonato brasileiro e com mais uma vitória nesta competição muito importante”, completou a corredora de apenas 22 anos.



Já nos 400 m masculino, depois de um início de temporada irregular – acabou ficando fora do Mundial da Silésia, na Polônia -, Lucas Carvalho venceu nesta sexta-feira com o tempo de 45.69, assumindo a liderança do Ranking Brasileiro, que era de Alison dos Santos, com 45.78. “Estou muito feliz com o meu quarto título e, principalmente com minha recuperação. Senti muita pressão no início do ano. Estava com muita vontade de correr bem e acabei errando às vezes”, lembrou o atleta de 27 anos. “Tenho esperança de entrar por pontos na Olimpíada e quero muito voltar ao 4x400 m misto”, disse o atleta que integrou a equipe finalista no Mundial de Doha-2019, quando assegurou a vaga olímpica do revezamento.



Quem comemorou também a medalha de ouro foi o paranaense Alexsandro Melo, o Bolt, tricampeão do salto em distância. O atleta do CT Maranhão venceu com 8,02 m (0.3). “Estou feliz porque hoje fui melhor do que ontem”, resumiu o atleta, qualificado para a Olimpíada no salto triplo. “Estamos vivendo outro ano complicado, que afeta em nossa preparação”, comentou o saltador, que está entre os favoritos do triplo, prova em que conquistou o título sul-americano.



Danylo Santos Martins (ACA-SC), que liderou boa parte da prova, acabou em segundo lugar, com 7,89 m (2.4). Em terceiro ficou Lucas Marcelino dos Santos (Pinheiros-SP), com 7,88 m (0.3).



O paulista Altobeli Santos da Silva (Pinheiros-SP), por exemplo, fez um esforço enorme na final dos 3.000 m com obstáculos, forçou o ritmo desde a largada e depois de sete voltas e meia na pista teve de se conformar com o tempo de 8:26.04, ficando perto da marca mínima exigida pela World Athletics, de 8:22.00.



Campeão dos Jogos Pan-Americanos de Lima-2019 e do Sul-Americano de Guayaquil-2021, o atleta conseguiu o sexto título da competição. “Fiquei bem próximo do índice, mas faltou um pouco ali no final. Eu acreditava até a última volta que poderia correr a marca, mas infelizmente eu não consegui”, lembrou o finalista nos Jogos do Rio-2016. “E eu corri 'sozinho' e espero ainda ter oportunidade de competir e tentar fazer o tempo exigido”, completou o atleta que melhorou o seu recorde do Troféu Brasil, que era de 8:26.06 desde 2017.



Gleison da Silva Santos (ADECAI-PE) ficou em segundo lugar, com 9:01.69, seguido de Israel Tiago Pereira Mecabo (AACN-SC), com 9:03.84.



Na prova feminina, a paranaense Tatiane Raquel da Silva (IPEC-PR), também campeã sul-americana no Equador, confirmou o favoritismo e venceu com 9:42.49, novo recorde do torneio. O anterior era dela mesma com 9:49:22, desde 2016. Simone Ponte Ferraz (APA/SECEL-SC) terminou em segundo ugar, com 9:52.25, com Gabriela de Freitas Tardivo (IPEC-PR) em terceiro, com 10:39.22.



Já nos 800 m duas vitórias com sabores bem diferentes. Eduardo Ribeiro Moreira (Pinheiros-SP), de apenas 20 anos, pôde comemorar seu primeiro ouro no torneio, com 1:46.60. Dudu, como é chamado, é uma das revelações do meio-fundo brasileiro. “Fui vice-campeão no ano passado e agora consegui muito recorde pessoal novamente”, afirmou. “Foi uma prova muito acirrada e ainda tive de dar uma travada na chegada para não bater em outro atleta.”



Guilherme Kurtz (UCA-SC) levou a medalha de prata, com 1:46.61, e o bronze foi para Leonardo Santos de Jesus (Pinheiros-SP), qualificado para o Mundial Sub-20 de Nairóbi, no Quênia, em agosto. Thiago do Rosário André (CT Maranhão) terminou em sexto lugar, com 1:47.78. “Tentei correr para quebrar o recorde do torneio de 1:44.21. Saí forte, passei bem até os 600 m, mas aí senti o esforço”, lembrou o corredor, qualificado para os Jogos de Tóquio.



Na prova feminina, Flavia Maria de Lima (FECAM ASSERCAM-PR) chorou muito ao vencer, com 2:04.19. Medalha de bronze no Pan-Americano de Toronto-2015 e atleta olímpica no Rio-2016. “Tenho enfrentado muitas dificuldades desde que voltei da gravidez da Vitória, de 3 anos. Hoje, ela e meus pais estão isolados por causa da COVID”, disse. “Além disso, sempre estou preocupada com o meu treinador, o Luiz Alberto de Oliveira, que passa por momentos difíceis de saúde no Catar. Prometi para ele que ainda vou correr os 800 m em menos de 2 minutos.”



No salto com vara, prova que encerrou o segundo dia de competições, Juliana De Menis Campos (AABLU) venceu com 4,41 m, seguida por Isabel Demarco de Quados (Orcampi), com 4,05 m, e Ayla Sakamoto Silva (Pinheiros), com 3,95 m.



Sem a presença de público por causa das restrições impostas pela pandemia do coronavírus, os fãs do esporte podem acompanhar o desempenho dos atletas ao vivo pelo Canal Atletismo da TVNSports: ASSISTA AQUI



A competição tem suas normas adaptadas para o atendimento aos protocolos de enfrentamento da pandemia da COVID-19. Todos os participantes passam por um scanner para a medição da temperatura corporal antes de entrar no Centro Olímpico e, em caso de suspeita, a realização de teste de COVID-19. É obrigatório o uso de máscaras, com exceção no momento das provas, a disponibilidade de álcool em gel, limpeza de implementos, distanciamento entre atletas na câmara de chamada, distanciamento entre os treinadores no momento das provas de seus atletas e a cerimônia de premiação diferenciada (os que forem ao pódio pegam as próprias medalhas), entre outros procedimentos.



Mais informações como programa horário, histórico e atletas participantes podem ser acessadas no hotsite da competição: CLIQUE AQUI



A competição tem apoio do Comitê Brasileiro de Clubes (CBC) que desenvolve o Programa de Formação de Atletas juntamente aos clubes integrados e ENADs (https://cbclubes.org.br/).



A Prevent Senior Sports é patrocinadora do atletismo brasileiro para a entidade gestora do esporte e os atletas brasileiros, visando a saúde integral dos indivíduos e apoio às competições.



As Loterias Caixa são a patrocinadora máster do atletismo brasileiro.


 
Realização Apoio Patrocínio
Confederação Brasileira de Atletismo
 
Início | Notícias | São Bernardo do Campo | Histórico | Sedes | Regulamento | Recordes | Programa Horário | Congresso Técnico
Marcha Atlética | Inscrições | Como Assistir | Imprensa | Participantes | Resultados | Galeria | CBAt

© Copyright 2002-2017, CBAt - Todos os direitos Reservados
Rua Jorge Chammas, 310 - Vila Mariana - São Paulo - Brasil - CEP: 04.016-070
Telefone: + 55 11 5908-7488 - E-mail: cbat@cbat.org.br