NOTA DE PESAR

CBAt lamenta morte do equatoriano Alex Quiñonez

Comunidade do atletismo brasileiro sente a perda de um dos principais velocistas da América do Sul e presta condolências à Federação de Atletismo do Equador, aos familiares, amigos e fãs

Bragança Paulista - A Confederação Brasileira de Atetismo (CBAt) apresenta o seu profundo pesar pela morte do atleta equatoriano Alex Quiñonez, destacado velocista sul-americano assassinado a tiros numa rua de Guayaquil, no Equador, na noite desta sexta-feira (22/10). A CBAt lamenta o ocorrido e presta condolências à Federação Equatoriana de Atletismo, aos familiares e amigos do atleta.



Alex Quiñonez tinha 32 anos e foi medalhista de bronze no Mundial de Doha, Catar, e campeão pan-americano nos Jogos de Lima, Peru, nos 200 m, também em 2019. O Barcelona FC, da Espanha, fez um minuto de silêncio - Quiñonez era atleta da equipe de atletismo do clube.



Embora fosse um especialista nos 200 m, ele mantinha os recordes nacionais em todas as distâncias de velocidade: 60 m (6.66), 100 m (10.09), 200 m (19.87) e 400 m (46.28). Regular no circuito da Liga Diamante, Quiñonez melhorou seu recorde nacional de 200 m na Athletissima em Lausanne, Suíça, em 2019, marcando 19.87 para terminar entre o vencedor Noah Lyles, dos Estados Unidos, e o canadense Andre De Grasse.



"Alex Quiñonez foi um atleta fantástico, o maior velocista da história do Equador. Recebemos a notícia com profundo pesar. O atletismo brasileiro se solidariza com a família, a Federação Equatoriana de Atletismo, os fãs do Equador e do atletismo mundial", disse Wlamir Motta Campos, presidente do Conselho de Administração da CBAt.